Síndrome de Babel

1 E era toda a terra de uma mesma língua e de uma mesma fala.

2 E aconteceu que, partindo eles do oriente, acharam um vale na terra de Sinar; e habitaram ali.

3 E disseram uns aos outros: Eia, façamos tijolos e queimemo-los bem. E foi-lhes o tijolo por pedra, e o betume por cal.

4 E disseram: Eia, edifiquemos nós uma cidade e uma torre cujo cume toque nos céus, e façamo-nos um nome, para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra.

5 Então desceu o SENHOR para ver a cidade e a torre que os filhos dos homens edificavam;

6 E o SENHOR disse: Eis que o povo é um, e todos têm uma mesma língua; e isto é o que começam a fazer; e agora, não haverá restrição para tudo o que eles intentarem fazer.

7 Eia, desçamos e confundamos ali a sua língua, para que não entenda um a língua do outro.

8 Assim o SENHOR os espalhou dali sobre a face de toda a terra; e cessaram de edificar a cidade.

9 Por isso se chamou o seu nome Babel, porquanto ali confundiu o SENHOR a língua de toda a terra, e dali os espalhou o SENHOR sobre a face de toda a terra.

(Gênesis 11. 1-9)


INTRODUÇÃO


O texto mostra-nos a história da torre de Babel, o propósito na qual foi criada, como também o poder de Deus em sua soberana simplicidade que cessou a construção da torre de Babel com a confusão das línguas.


Ao notar sobre essa torre, clara é o propósito dos homens em fazer algo desse porte: a desobediência. Nesse estudo sobre a família, iremos falar sobre três síndromes que culmina na crise de Babel na família:


  • SÍNDROME DA DIVINDADE

Se compararmos bem os estudos primitivos em Gênesis, notaremos que o alto, as montanhas, a grandeza é um sinônimo do ser humano estar mais perto de Deus, por isso muitas vezes vemos na Palavra que os antigos procuravam montes para adorarem ao Senhor com sacrifícios.

Seguindo essa linha de pensamentos podemos observar que os construtores de Babel planejavam tocar no céu (hoje sabemos que coisa do tipo é impossível, mas devemos relembrar a tecnologia da época que nem chegava aos pés da nossa, muito menos a compreensão sobre a ciência e o planeta em si). Planejavam fazer uma morada que fosse tão alta ao ponto de tocar na morada do Criador, no céu, mostrando assim que o ser humano também poderia ser tão grandioso como Deus, ou seja, a humanidade chegando à divindade (não difere muito isso dos nossos dias).

Ao notar isso, podemos ver que a síndrome da divindade muitas vezes está inserida na família de uma forma maléfica. Vemos que muitos pais, mães, filhos acham que são maiores do que Deus, isso relacionado a muitas áreas na vida como por exemplo, em decisões - não consultam ao Senhor sobre o que devem ou não fazer, mas fazem tudo segundo o seus próprios narizes; nos cultos - não cultuam ao Senhor em família porque acham que não tem necessidade disso e que já são santos demais; na busca da Palavra - não lêem a Bíblia em família porque acham o seu conhecimento suficiente para ir ao céu; a prática de muitas coisas pecaminosas - famílias estão mergulhadas em várias formas de pecados achando que terão misericórdia para todo sempre, muitos acham que são salvos e isso já é suficiente, por isso podem pecar de todas as maneiras que não envolverá na salvação.

A síndrome da divindade leva tanto à família, como o ser humano em si, a achar que tem o direito de fazer o que bem entende da vida, sem preocupar-se em dar satisfação a alguém Maior, por isso podem fazer tudo, porque somente à eles tudo pertencem... isso é o engano da síndrome da divindade, pois a pessoa acha que tem o direito e atributos de Deus, só que na verdade não tem, porque há apenas um Deus, o Senhor.

  • SÍNDROME DO ORGULHO

Outra síndrome que vemos é a do orgulho quando eles querem que seus nomes não sejam esquecidos. Achavam que seus nomes tinham obrigação de ser lembrados para sempre por causa da grandiosidade da construção de Babel, só que esse orgulho não faz parte dos planos do Senhor.

Notamos que muitas famílias têm essa síndrome, pois acham no direito de orgulharem-se das posses que têm, fazendo assim todo tipo de humilhação (para com o mais pobre), de arrogância, de desordem, falta de ética, de inveja... pensando que podem tudo, porque têm alguma coisa, só que estão enganados.

O orgulho leva as famílias a perderem o bom senso, fazendo assim coisas terríveis diante de Deus, porque "Deus abate o soberbo, mas dá graça ao humilde". O orgulho foi o mesmo pecado encontrado no coração de Lúcifer, porque achava-se importante, queria ser maior do que o Senhor, por isso fez a rebelião no céu, quão enganado ele estava em seus propósitos! Porque nunca a criatura superará o Criador!

O orgulho cega as pessoas espiritualmente, por isso que a família quando está apoderada do orgulho termina sendo detestada pelo Senhor, porque tudo o que eles conseguiram foi o Senhor quem permitiu, independente se foi por meios legais, ou não; porque se o Senhor não houve permitido eles não teriam nada. Em Babel eles queriam que seus nomes não fossem esquecidos por causa da grandiosidade de suas obras, só que o Senhor nos mostra que para sermos lembrados temos que nos humilhar, ou seja, diante de Deus orgulhoso não tem vez!

  • SÍNDROME DA DESOBEDIÊNCIA

Outra questão que arrasa as famílias é a desobediência. Depois do Dilúvio o Senhor ordena a Noé e seus filhos que eles espalhassem, multiplicassem e enchessem toda a terra, só que em Babel eles queriam fazer o contrário - juntar, crescer e viver numa mesma cidade - o que acarretou no cessamento da construção pela simplicidade do Senhor na confusão das línguas.

Se observarmos as qualidades do povo de Babel, vemos que muitas famílias têm em comum, porque eles se comunicavam bem, eram unidos, tinham um propósito, eram firmes, mas tinham um grande defeito "a boa vontade". Muitas vezes achamos que se a família tiver essas qualidades que o povo de Babel tinha, acoplado com a "boa vontade" é suficiente, só que não devemos pensar assim porque a prioridade na vida deve ser dada ao Senhor e não aos nossos princípios.

Quando notamos que a desobediência fez que eles perdessem todo o esforço que estavam fazendo notamos a seguinte questão: a vida é como um dominó, quando cai um derruba muitos outros. Essas três síndromes são altamente perigosas para a família. Se a família tiver síndrome de divindade, irá se orgulhar e depois desobedecerá, por isso será castiga pelo Senhor, porque rebeldia é pecado, e pecado o Senhor não atura.

CONCLUSÃO

Para as famílias que sofrem de alguma dessa síndrome, ou de todas, a solução é simples: reconhecer - que apenas o Senhor é Deus, somente Ele é quem governa, legisla e executa - humilhar - apenas a humildade alcança graça diante de Deus, somente assim Ele olhará com graça, amor, fazendo assim grande o nome da família pelo que ela é diante dos homens - obedecer - apenas a obediência é que gera frutos perante o Senhor para a vida toda.

Não deixe que as síndromes de Babel destrua sua família, mas deixe que Deus tire essas síndromes mostrando somente uma coisa: que Ele é Deus.

1 Response
  1. Jaime Rangel Says:
    Este comentário foi removido pelo autor.